CARROS A AR QUE VOCÊ NÃO CONHECIA

0 Curtidas. 647 Visualizações

Quem disse que só os Volkswagen gostavam dos motores refrigerados a ar? Relembramos exemplos clássicos de outras fabricantes 

Top Ten: carros que não são da VW e fizeram sucesso usando motor a ar

Quando se fala em motor refrigerado a ar, logo vêm à cabeça Volkswagen Kombi, Fusca e até as primeiras versões do Gol. Mas a marca alemã não foi a única a fazer sucesso com essa tecnologia. QUATRO RODAS relembra outros dez casos.
Economia popular

 (Reprodução/Internet)

Com mais de 5 milhões de unidades vendidas (1948-1990), o Citroën 2CV ganhou o mundo pelo projeto simples e de baixo custo: motor boxer a ar de dois cilindros (375 cm³ ou 602 cm³), além de peças encaixadas, em vez de parafusadas. Devido à tal simplicidade, ganhou logo o apelido de “guarda-chuva com quatro rodas”.

Linha aérea

 (Reprodução/Internet)

Desde o modelo 356 de 1948 (foto) até o 911 da série 993 (1994-1998), a Porsche só usou propulsores a ar. A razão está na origem: o primeiro carro da marca era a versão esporte do Fusca, que tinha entre seus projetistas Ferdinand Porsche e seu filho Ferry.

Juntos só no nome

 (Reprodução/Internet)

Da junção Corvette e Bel Air surgiu o Corvair em 1959, mas ele não parecia um Chevrolet comum: tinha um 6-cilindros boxer traseiro. Mas a suspensão não lidava bem com o peso atrás e ganhou má fama no livro do advogado Ralph Nader, Inseguro a Qualquer Velocidade.

Costela de Adão

 (Reprodução/Internet)

A Tatra apostou em 1923 no modelo 11, veículo de entrada da marca tcheca. Dotado de um motor de dois cilindros opostos a ar de 1,1 litro, ele foi o primeiro carro a receber chassi tipo espinha dorsal (backbone), usado até hoje nos caminhões da marca.

Do outro lado do muro

 (Reprodução/Internet)

De 1957, o alemão Trabant tornou-se símbolo da queda do Muro de Berlim e também se rendeu ao ar em seus blocos, um deles de 500 cm³, dois tempos e 18 cv. Durou 34 anos até a VEB Sachsenring adotar propulsores mais modernos, resfriados a água.

São outros 500

 (Reprodução/Internet)

A comparação com o Fusca na época não foi em vão. Além das formas curvilíneas e simpáticas, o Fiat 500 também carregou um motor a ar, só que de dois cilindros com 479, 499 ou 594 cm³. A ideia deu tão certo que ele vendeu quase 4 milhões de 1957 a 1975.

Soprando a favor

 (Reprodução/Internet)

Os Honda sempre foram referência em tecnologia e robustez, e o sedã 1300 de 1969 não foi exceção. Seu 1.3 de quatro cilindros em linha a ar era diferente de tudo já visto na época: um sistema elétrico de ventoinhas ajudava a refrigerar o cofre e o habitáculo.

Giro de 360

 (Reprodução/Internet)


PUBLICADA EM: 31/05/2019 22:09:00 | VOLTAR PARA: Artigos | OUTRAS PUBLICAÇÕES
Fonte: Internet



Logomarca do rodapé

Endereço e contatos

Av. Contorno, 6000  - Loja 222
Savassi Belo Horizonte / MG
CEP: 30110-924

31 971216879
(31) 97121-6879